+55 (31) 3561- 7071

Conheça Nossa Equipe

Saiba Mais

Em cada exame uma vida!

Saiba Mais

Qualidade que faz diferença

Saiba Mais
Marcadores Pulmonares: Próstata e BexigaVOLTAR

Próstata – O câncer de próstata possui elevada incidência em homens e o PSA é o marcador de escolha. Porém, apesar de 1 em cada 6 homens (16,7%) receber um diagnóstico de câncer de próstata em sua vida, apenas 2,9% vão, eventualmente, morrer da doença. À luz das evidências atuais, a tomada de decisões sobre a triagem para
o câncer de próstata é uma questão complexa. Os valores de corte mais utilizados são 2,5ng/mL e 4,0 ng/mL. Habitualmente associa-se a determinação do PSA ao toque retal, bem como a determinação da relação PSA livre/PSA total para aumentar a especificidade nas determinações com valores acima da referência.

Todas as orientações científicas reconhecem que os benefícios da triagem com o teste de PSA deverão ser pesados contra os riscos, como um falso-positivo na proporção de até 70% para os níveis de PSA superiores a 4,0 ng/mL, e os danos associados ao tratamento de homens com câncer que não se tornaria clinicamente
evidente durante a sua vida. Resultados alterados podem decorrer do preparo inadequado, associação com prostatite ou hiperplasia benigna da próstata.

Os dados do estudo PIVOT (Prostate Cancer Intervention Versus Observation Trial) mostraram o pequeno benefício potencial da triagem do câncer da próstata corresponde a prevenir, no máximo, uma morte por 1000 homens após 11 anos de acompanhamento. Além disso, homens que fizeram prostatectomia radical tiveram um
aumento em 11% do risco para incontinência urinária e de 37% para disfunção erétil. No entanto, na análise de um subgrupo de homens com níveis de PSA acima de 10 ng/mL observou-se uma redução de
13,2% em todas as causas de mortalidade. O critério de consenso sobre a utilização do PSA é o monitoramento após retirada da próstata para detectar recidivas ou persistência da patologia.

A conclusão da diretriz brasileira do INCA¹ afirma que, “por não haver, até o momento, evidências científicas de que o rastreamento do câncer de próstata possa produzir mais benefícios que dano, o Instituto Nacional de Câncer recomenda que não se organizem ações de rastreamento para o câncer da próstata e que homens que demandem espontaneamente a realização de exames de triagem, sejam informados por seus médicos sobre os riscos e benefícios associados a esta prática” Considerando-se o Colégio Americano de Clínica Médica em
recente artigo publicado no periódico Annals of Internal Medicine², as principais recomendações, além da mesma orientação do INCA, são:

  • Não realizar a triagem do câncer de próstata utilizando o PSA em homens de risco médio, com idade inferior a 50 anos, idade acima de 69 anos, ou homens com espectativa de vida menor que 10 a 15 anos.
  • Informar aos homens com idade entre 50 e 69 anos sobre o potencial limitado de benefícios e os riscos substanciais de triagem do câncer de próstata.

Realizar o PSA em idade mais precoce(49 ou menos) nos homens que estão em risco aumentado para câncer de próstata (afro-americano ou parente de primeiro grau diagnosticado com câncer de próstata antes dos 65 anos ).
Os níveis de PSA de 2,5 ng /mL ou maior podem justificar avaliação anual.

Bexiga – O câncer de bexiga é um dos tumores mais freqüentes no sexo masculino e aumenta com a
idade. Durante décadas, a cistoscopia com a adição de citologia urinária tem sido o padrão ouro na
detecção e vigilância de câncer de bexiga. Marcadores urinários representam um desafio promissor para o diagnóstico e acompanhamento do câncer de bexiga, porém a triagem geral não é recomendada atualmente.
Alguns desses marcadores utilizados na prática incluem o BTA, a proteína NMP22 e as alterações cromossômicas.

Teste

Marcador Detectado

BTA

Fator de complemente relacionado a proteína H e complemento Fator H

NMP22

Proteína do aparelho mitótico nuclear

FISH – Hibridização fluorescente in situ

Alterações nos cromossomos 3,7,17 e gp21

O antígeno tumoral da bexiga (BTA) é uma proteína expressa por várias células tumorais, mas por poucas células normais. Essas moléculas são liberadas na urina durante o desenvolvimento de tumores uroteliais da bexiga. Os resultados falso positivos podem estar associados a litíase urinária, processos irritativos da bexiga e sonda vesical de demora. Sua sensibilidade varia de 32% a 100% e a especificidade de 40% a 96%. Possui baixo valor preditivo positivo e não é indicado para triagem populacional.

O NMP22 é bastante prevalente em células uroteliais malignas. Devido ao fato desta proteína ser liberada a partir da morte celular por necrose ou apoptose, muitas condições benignas do trato urinário contribuem para uma elevada taxa de falso-positivo, como por exemplo, a infecção urinária. O teste de FISH parece ser mais sensível, porém menos específico do que a citologia urinária em todos os tipos de tumores. A utilização de marcadores moleculares no acompanhamento de pacientes com NMIBC (câncer de bexiga sem invasão muscular) não é recomendada.³

 Referências Bibliográficas:

1. http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/publicacoes/diretriz_rastreamento_prostata.pdf
2. Ann Intern Med. 2013; 158:761-769
3. Urinary markers for bladder cancer

TEXTO TRANSCRITO NA INTEGRA DO INFORMATIVO ELETRÔNICO LABCOM (www.labrede.com.br)

PDF PARA DOWNLOAD: Labcom Marcadores Tumorais – Parte III

 

FOTOS